_204451
Nilda Carvalho

Nilda Carvalho

Psicóloga e Terapeuta de EMDR

As dores emocionais corroem a alma.

Qual é a sua dor?

  • Depressão;
  • Estresse;
  • Ansiedade;
  • Fobias: falar em público, lugares fechados, lugares cheios, viajar de avião, usar elevador, bichos, insetos, etc.
  • Síndrome do pânico;
  • Dificuldades nos relacionamentos;
  • Autoavaliação negativa: “não sou bom o suficiente”, “não sou capaz”, “isso não é pra mim”, “nada dá certo pra mim”, “não mereço coisas boas”, etc.
  • Insegurança, timidez, sentimento de desvalia, de não merecimento, etc.
  • Dificuldade de aprendizado;
  • Disfunções sexuais;
  • Luto;
  • Outras.

Saiba que, o que está acontecendo com você hoje pode ser fruto de memórias do passado que estão armazenadas de forma disfuncional. Estas memórias estão sendo ativadas por situações atuais.

O que acontece hoje ativa, mesmo que inconsciente, recordações do passado. As emoções sentidas naquela época se misturam e potencializam as do presente.

Você já passou por alguma destas vivências?

  • Assalto;
  • Sequestro;
  • Abuso sexual ou físico;
  • Negligencia emocional;
  • Luto patológico;
  • Presenciou homicídio;
  • Experiência perturbadora com avião, barata, lugares fechados, etc;
  • Assédio no trabalho;
  • Sente-se que foi desamparado na infância, rejeitado, deixado de lado, preterido etc.
  • Faltou vínculo afetivo com algum dos seus cuidadores\pais;
  • Presenciou discussões dos seus pais\cuidadores;
  • Humilhação ou vergonha exacerbada enquanto criança ao ser exposta;
  • Cobrança exagerada dos pais\cuidadores;
  • Bulling;

Acontecimentos como estes geram um estresse exacerbado que nos deixam feridas emocionais que se expressam por meio de doenças, crenças limitantes, sentimentos inapropriados e outros.

Na terapia EMDR, a partir dos sintoma\queixa do presente que o paciente nos traz, buscamos conexões com memórias do passado para que possamos reprocessar e dessensibilizar esta lembrança, por meio dos movimentos oculares;

Em alguns casos o paciente não consegue fazer ligação dos sintomas do presente com algum acontecimento do passado, isto significa que o mecanismo de defesa do inconsciente está cumprindo o seu papel, impedindo a consciência de alcançar o conteúdo traumático.

Porém, mesmo diante desta situação é possível organizar o tratamento de forma que este mecanismo de defesa se atenue e permita o acesso às memórias patogênicas.

No reprocessamento das memórias traumáticas acontecem simultaneamente dois fatores: redução do incomodo provocado pela memória e em paralelo o paciente começa ter uma visão diferenciada de si, há uma mudança na autoavaliação e na percepção de si com o mundo.

Se antes se percebia vulnerável, desespenrançoso e impotente, a partir do reprocessamento inicia-se uma fase mais empoderada, com mais autocontrole e capacidade de fazer escolhas, com o olhar mais para o presente e futuro.

Saiba mais sobre reprocessamento das memórias traumáticas na aba: o que é EMDR e para que serve?

Cuide-se!

Invista em você!

Não deixe de buscar ajuda de um psicólogo.

Gostou do Conteúdo? Comente, Compartilhe.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Falar com Nilda
1
Olá, tudo bem?
Oi, eu sou Nilda Carvalho - Psicóloga e Terapeuta de EMDR. Fale comigo, estou aqui para te ajudar 😉.